O Procultura assinou, em 2021, 12 contratos para a implementação de projetos de investimento criadores de emprego e rendimento sustentáveis nos setores de música e artes cénicas nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste (Palop-TL).

Os contratos de financiamento e apoio técnico, avaliados em mais de 7 milhões de euros, foram atribuídos aos seguintes projetos:

Lote 1

Lote 2

O PROCULTURA é uma Ação do Programa Indicativo Multianual PALOP-TL/UE, financiada pela União Europeia, cofinanciada e gerida pelo Camões, I.P. e cofinanciada também pela Fundação Calouste Gulbenkian. Tem como objetivo contribuir para a criação de emprego em atividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa nos PALOP-TL.

Foto: Joseph Phillips (Pexels)

O projeto PROCULTURA PALOP-TL disponibilizou, entre 2019 e 2020, 44 bolsas de estudo de licenciatura e mestrado para cidadãos dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa mais Timor-Leste (PALOP-TL), nas áreas da Música e das Artes Cénicas.

Segundo o boletim informativo do PROCULTURA de Dezembro de 2021, foram atribuídas 21 bolsas de licenciatura (Angola 4, Cabo Verde 4, Guiné-Bissau 1, Moçambique 5, São Tomé e Príncipe 3, Timor-Leste 3) e 23 de mestrado (Angola 5, Cabo Verde 5, Guiné-Bissau 1, Moçambique 5, São Tomé e Príncipe 4, Timor-Leste 3).

Das 44 bolsas de estudo, 21 foram atribuídas às mulheres – licenciatura 9 e mestrado 12.

O PROCULTURA é uma Ação do Programa Indicativo Multianual PALOP – Timor-Leste e União Europeia, financiada pela União Europeia, cofinanciada e gerida pelo Camões, I.P. e cofinanciada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Tem por objetivo contribuir para a criação de emprego em atividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa nos PALOP e em Timor-Leste.

O PROCULTURA recebeu 78 candidaturas no âmbito do concurso de mobilidade internacional de artistas dos PALOP e Timor-Leste (PALOP-TL) nas áreas de música e artes cênicas, cujo prazo terminou em 30 de novembro de 2021 e os resultados deverão ser divulgados em janeiro do corrente ano.

As candidaturas decorreram entre 1 de outubro e 30 de novembro de 2021.

O objetivo destas bolsas é apoiar a frequência de residências artísticas na Europa, Brasil, Austrália ou países vizinhos dos PALOP e Timor-Leste e, desta forma, apoiar o desenvolvimento do seu trabalho em diálogo com outros contextos de criação contemporânea, incentivar o seu reconhecimento e a sua circulação internacional.

Em 2020, o PROCULTURA apoiou 25 artistas de Angola, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste (três em artes cênicas, 10 em dança e 12 na música). Em 2019, o PROCULTURA apoiou 12 artistas de Angola, Cabo Verde e Moçambique (três em artes cênicas, cinco em música e quatro em dança).

O PROCULTURA é uma Ação do Programa Indicativo Multianual PALOP-TL/UE, financiada pela União Europeia, cofinanciada e gerida pelo Camões, I.P. e cofinanciada também pela Fundação Calouste Gulbenkian. Tem como objetivo contribuir para a criação de emprego em atividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa nos PALOP-TL.

Em Março de 1992, na Cidade de São Tomé e Príncipe, os Chefes de Estado e de Governo dos PALOP manifestaram o seu firme desejo de estabelecer uma cooperação multiforme entre si e a União Europeia, à qual se juntou Timor-Leste em 2007, passando o grupo a chamar-se PALOP-TL.

Em 2021, o PROCULTURA apoiou mais de 600 pessoas dos PALOP-TL e cerca de 120 organizações, através de 90 projetos subvencionados, orçados em 8 milhões de euros, nas áreas da Música, Teatro, Dança, Literatura Infantojuvenil, entre outras.

O PROCULTURA nasceu de uma ideia partilhada entre a União Europeia e os PALOP-TL em torno de valores e da vontade de ver concretizadas as ideias criativas e projetos dos cidadãos destes seis países, com atenção especial à criação de oportunidades para as mulheres e os jovens.

A cultura é um instrumento de manifestação de identidade, expressão criativa e artística, mas também um recurso de desenvolvimento humano, social e económico. É simultaneamente um símbolo de pertença a uma comunidade imaginada e um veículo para a diversidade, a liberdade e o diálogo intercultural.

“A equipa do PROCULTURA continuará, até 2024, a servir estes valores e a promover, ao mesmo tempo, o emprego e o rendimento sustentável através da economia cultural e criativa”, refere a equipa no seu boletim informativo de Dezembro de 2021.

Em Março de 1992, na Cidade de São Tomé e Príncipe, os Chefes de Estado e de Governo dos PALOP manifestaram o seu firme desejo de estabelecer uma cooperação multiforme entre si e a União Europeia, à qual se juntou Timor-Leste em 2007, passando o grupo a chamar-se PALOP-TL.

Trata-se de “O Sonho de Chinguana”, de Cleyde Pamela, 20 anos de idade (Nampula, norte de Moçambique); “As Aventuras de Manuelito”, de João Baptista, 30 anos de idade (Manica, Centro de Moçambique); e “O Outro lado das flores”, de Laliana João Mahumana, 19 anos de idade (Maputo, sul de Mocambique).
O PROCULTURA, promoção do emprego nas atividades geradoras de rendimento no setor cultural dos PALOP e Timor-Leste, é uma ação do programa PALOP–TL e UE, financiada pela União Europeia, cofinanciada e gerida pelo Camões, I.P. e cofinanciada pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Saiba mais em: https://bit.ly/3qlBDPt

Os projetos selecionados são:

O Projeto PROCULTURA PALOP-TL é financiado pela União Europeia, cofinanciada e gerida pelo Camões, I.P. e também cofinanciada pela Fundação Calouste Gulbenkian, e tem como objetivo contribuir para a criação de emprego em atividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa naqueles países.

O programa PALOP-TL/UE visa promover as relações entre os países através do intercâmbio de conhecimentos especializados e de melhores práticas, bem como do reforço da cooperação em domínios de interesse mútuo, assente numa língua comum.

Saiba mais nesta ligação:

Projeto PROCULTURA PALOP/TL apoia a criação artística contemporânea nos PALOP – Futuros Criativos

O DIVERSIDADE selecionou, recentemente, seis novos projetos na Guiné-Bissau, a saber:

Até 30 de Novembro de 2021, o DIVERSIDADE já havia selecionado um total de 70 projetos, o que representa um financiamento global de 472.547,85 euros à economia cultural e criativa dos PALOP-TL.

O DIVERSIDADE é um dos instrumentos do PROCULTURA PALOP-TL, programa financiado pela União Europeia cofinanciado e gerido pelo Camões, IP e cofinanciado pela Fundação Calouste Gulbenkian, que visa contribuir para a geração de emprego nos sectores culturais, para a promoção da diversidade cultural e para o reforço da cidadania e da identidade através da cultura.

O PALOP-TL/UE foi o primeiro programa de cooperação regional entre a União Europeia e os países PALOP com início em 1992 e a adesão de Timor-Leste em 2007.

Saiba mais nesta ligação:

https://www.futuroscriativos.org/oportunidades/lancamento-do-instrumento-de-subvencoes-diversidade/

 

 

Foram assinados 11 contratos no âmbito do instrumento DIVERSIDADE, do programa PROCULTURA. Três dos requerentes são da província de Inhambane, um da Ilha de Moçambique e oito da província de Maputo.

Decorreu, no dia 10 de Maio de 2021, a assinatura dos contratos no Camões – Centro Cultural Português, em Maputo, e contou com a presença da Ministra da Cultura e Turismo, Eldevina Materula, o Embaixador de Portugal, António Costa Moura, e o Chefe de Delegação da União Europeia, Embaixador Antonio Sánchez-Benedito.

Dos 12 signatários dos contratos, três são da província de Inhambane, um da Ilha de Moçambique e oito da província de Maputo. As áreas são diversas, tais como, o turismo e o jornalismo cultural, o artesanato, a dança, o teatro, a música, as artes visuais digitais e atividades associativas e federativas.

O programa PROCULTURA visa a promoção do emprego em atividades geradoras de rendimento no setor cultural, nos PALOP e em Timor-Leste, e é financiado pela União Europeia, cofinanciado e gerido pelo Camões, I.P. e cofinanciado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

O DIVERSIDADE é um instrumento de financiamento para a diversidade cultural, cidadania e identidade, em Moçambique.

Em Março de 1992, na Cidade de São Tomé e Príncipe, os Chefes de Estado e de Governo dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) manifestaram a firme vontade política em estabelecer relações de cooperação multiforme entre si e com a União Europeia, a que se juntou Timor-Leste em 2007, passando o grupo a designar-se PALOP-TL.

 

Estão abertas as candidaturas para o Curso de Empreendedorismo Cultural e Fontes de Financiamento para os sectores culturais. Um programa de formação que pretende formar líderes de desenvolvimento dos sectores culturais nos PALOP e em Timor-Leste e identificar boas práticas e soluções de inovação para a economia criativa e cultural.

Podem concorrer cidadãos nacionais de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, residentes num destes países, líderes de desenvolvimento dos sectores culturais, que tenham atividade relevante de criação artística ou como empresários ou que exerçam funções técnicas relevantes em instituições com atividade nos sectores da cultura, sejam públicas ou privadas.

O curso será implementado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), em parceria com o Camões, IP, no âmbito do PROCULTURA.

O programa terá uma duração máxima de três semanas, com uma primeira edição a partir de novembro de 2019, a realizar em datas variáveis em cada um dos seis países PALOP-TL.

Em Angola, a primeira edição realiza-se de 4 a 20 de Novembro, na Villa de la Cooperación Española em Morro Bento, Rua da Total, em Luanda.

Em Moçambique, a primeira edição realiza-se de 2 a 18 de Dezembro, na AECID, Oficina Técnica de Cooperación (OTC), Avenida Eduardo Mondlane, 677 Caixa Postal, 1331 – Maputo.

O prazo para inscrições decorre até 24 de Outubro, no caso de Angola e 2 de Novembro, no caso de Moçambique.

Muito importante: as inscrições são feitas através de envio de e-mail para o endereço procultura.moz@gmail.com colocando no título “Inscrição Curso Empreendedorismo Cultural”. Os cidadãos interessados poderão consultar o regulamento e os requisitos de candidatura no site do Camões I.P., em: https://www.instituto-camoes.pt/sobre/comunicacao/noticias/projeto-palop-tl-procultura-investe-na-formacao-de-empreendedores-nos-palop-e-timor-leste, ou do programa PALOP –TL,  em https://palop-tl.eu.

Esta é uma iniciativa enquadrada na Ação 1.5 de Formação de Líderes de desenvolvimento dos sectores da cultura (da tutela pública, de organizações da sociedade civil e empresários para acesso aos instrumentos de financiamento disponíveis incluindo os desta ação para promover a inovação da economia cultural e criativa.

Esta iniciativa é promovida no âmbito do PROCULTURA, uma Ação financiada pela União Europeia no âmbito do Programa Indicativo Multianual PALOP-TL UE para 2014-20, cofinanciada e gerida pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, IP e cofinanciado também pela Fundação Calouste Gulbenkian. Tem por objetivo contribuir para a criação de emprego em atividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa nos PALOP e em Timor-Leste, entre 2019 e 2023, com orçamento de 19 milhões de euros.

Esta ação é enquadrada pelos princípios do Consenso Europeu em matéria de desenvolvimento (O Nosso Mundo, a Nossa Dignidade, o Nosso Futuro), nomeadamente, pelo reconhecimento de que a cultura favorece «a inclusão social, a liberdade de expressão, a formação da identidade, o empoderamento civil e a prevenção de conflitos» e pela intenção da União Europeia e dos seus Estados membros de fomentar a economia e as políticas culturais quando estas contribuam para alcançar o desenvolvimento sustentável; é enquadrada também pelos princípios da Aliança África – Europa para Investimentos e Empregos Sustentáveis, que incluem investir nas pessoas através da educação e formação de competências, explorar o potencial da integração económica e do comércio entre as duas regiões para a criação de emprego e de rendimento.

Financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian, e com o apoio da Fortaleza de Maputo e do Camões – Centro Cultural Português, está a decorrer entre 7 de Setembro e 7 de Novembro deste ano a 1ª edição da Residência Artística UPCycles, uma iniciativa da Associação Amigos do Museu do Cinema (Moçambique).

Esta ação tem como objetivo o incentivo à criação artística, à mobilidade e ao intercâmbio entre artistas emergentes dos PALOP, em que os participantes serão orientados para a conceção e criação de obras multimédia que “reciclem” imagens do arquivo audiovisual destes países e proporcionem novas interpretações da História e da Memória, a elas associadas, criando novas narrativas.

O trabalho, que culmina com 4 dias dedicados à montagem de uma exposição, será acompanhado em regime de desenvolvimento à distância por duas tutoras principais e uma equipa técnica de apoio do projeto Museu do Cinema, que darão também suporte às propostas durante 10 dias dedicados à  sua montagem e finalização.

O apoio à Cultura fortalece a identidade dos povos, promove a inclusão social e é um importante motor da inovação e da geração de riqueza em setores como o turismo.

Fotos de Wilford Machili @Maputo CinemaFestival

Pode ver vídeos com os depoimentos dos artistas, participantes e tutoras em: https://www.facebook.com/pg/upcycles2019/videos/

Ou aceder ao site e ao Facebook da iniciativa em:

https://museucinemamoz.wixsite.com/upcyclespalop

https://www.facebook.com/upcycles2019

Acompanhe!